Mais rock e menos roll  


22/11/2010  

A última turnê mundial dos Rolling Stones, intitulada “A bigger band”, arrecadou fantásticos US$ 558 milhões. Com shows cada vez mais milionários e artistas cada vez menos revolucionários, a demanda por seguro está em alta no mundo do rock. Os artistas e promotores de shows de rock podem encontrar coberturas contra todo tipo de contingência.

O seguro contra cancelamento do show é muito usado, principalmente, em shows ao ar livre onde o perigo principal é a condição climática que pode impedir a montagem do palco e o evento em si por razões de segurança ou de saúde.

Outro risco importante é o cancelamento devido ao não-comparecimento do artista, causando a necessidade de resgate dos tickets vendidos e de indenizações por perdas e danos. Trata-se de proteção mais cara para alguns artistas que para outros, como se pode imaginar. Segundo Lloyd’s de Londres, o maior pedido de indenização dessa cobertura até o momento foi de £$ 55 milhões quando um artista famoso não pode comparecer a vários concertos.

Algumas vezes, o não comparecimento ocorre por razões bizarras como quando uma banda se recusou a tocar numa cidade dos Estados Unidos. O líder da banda alegou que “teve uma visão” e lhe foi comunicado que a banda não deveria se apresentar nas cidades com nomes começando com a letra M. Obviamente, a apólice só cobre o não comparecimento devido a causas fora do controle do artista.

Outras apólices disponíveis incluem seguros de responsabilidade civil, de equipamentos, de lucros (caso a venda de ingressos, rendas de publicidade etc fiquem aquém do esperado) e de riscos ambientais. As possibilidades de danos são diversas: em 2008, por exemplo, num show do Pink Floyd, o famoso porco inflável gigante que é seu símbolo e tem o tamanho de dois ônibus se soltou do cabo que o prendia e foi aterrissar aos pedaços num condomínio vizinho. Os moradores e as propriedades nada sofreram e dividiram os US$ 10 mil de recompensa pelo retorno do bicho, mas o prejuízo podia ser muito maior.