Prezado leitor,
É permitida a utilização do conteúdo desse site, desde que citada a fonte.
Para isso, leia as regras aqui e preencha o cadastro em anexo.

Configuração mínima necessária:
Internet Explorer 7 ou Firefox 3
Resolução: 1024x768

Conheça a nossa página no Facebook Conheça a nossa página no Twitter

Entenda o seguro de acidentes pessoais

Perguntas frequentes

• O custo do seguro de acidentes pessoais varia de acordo com a idade?

• Tenho mais de uma apólice de seguro de acidentes pessoais. Se acontecer um sinistro, minha família recebe a indenização de todas as apólices ou apenas a de valor mais alto?

• Eu tenho um plano de saúde. Se eu comprar um seguro de acidentes pessoais e precisar ficar internado por causa de um acidente, tenho direito à indenização?

• Sou arquiteto e fiz um seguro que garante pagamento por dia parado por causa de acidente. Eu quebrei a mão e não vou poder trabalhar nos próximos três meses. Como eu faço para receber o pagamento do seguro?

• Sou deficiente físico e quero fazer um seguro de acidentes pessoais. Posso?

• Meu pai teve um AVC e ficou com o lado direito sem movimentos. Segundo os médicos, a paralisia é permanente. Ele tem um seguro de acidentes pessoais, mas, acionada, a seguradora negou a indenização. Isso está correto?

• Sou motorista profissional e comprei um seguro de acidentes pessoais. Perdi uma perna num acidente que sofri, mas a seguradora se recusou a pagar a indenização sob o argumento de que eu não fiquei totalmente inválido. Quem está com a razão?

 

O custo do seguro de acidentes pessoais varia de acordo com a idade?

Normalmente, não. A contratação, em geral, pode ser feita por pessoas com faixa etária entre 14 e 70 anos, sem diferenciação de custo pela idade. Algumas seguradoras especializadas oferecem o seguro para quem tem até 80 anos de idade.

 

Topo 

Tenho mais de uma apólice de seguro de acidentes pessoais. Se acontecer um sinistro, minha família recebe a indenização de todas as apólices ou apenas a de valor mais alto?

A indenização contratada em cada uma das apólices será paga integralmente aos beneficiários indicados por você na proposta.

Topo 

Eu tenho um plano de saúde. Se eu comprar um seguro de acidentes pessoais e precisar ficar internado por causa de um acidente, tenho direito à indenização?

Sim, desde que você tenha contratado a cobertura de diária por internação hospitalar no seguro de acidentes pessoais. Nesse caso, a indenização será paga independentemente da utilização do seguro saúde. Mesmo que você fique internado num hospital público, será indenizado.

Topo 

Sou arquiteto e fiz um seguro que garante pagamento por dia parado por causa de acidente. Eu quebrei a mão e não vou poder trabalhar nos próximos três meses. Como eu faço para receber o pagamento do seguro?

A cobertura que você contratou – diárias por incapacidade – tem um período de franquia que deve ser de, no máximo, 15 dias, a contar da data do acidente.

O número de diárias a serem indenizadas vai depender do limite contratado no seguro. Nas condições gerais e especiais do contrato, você encontrará essa informação.

Para receber a indenização, você deverá apresentar documentação que comprove as lesões causadas pelo acidente.


Para efeitos de seguro, característica da incapacidade é quando o segurado fica impossibilitado contínua e ininterruptamente de exercer sua profissão ou ocupação, durante o período em que se encontrar sob tratamento médico. 

Topo 

Sou deficiente físico e quero fazer um seguro de acidentes pessoais. Posso?

As propostas feitas por deficientes físicos devem informar o grau de invalidez preexistente, o que vai limitar a responsabilidade da seguradora. Se houver recusa por parte da seguradora, será revelada discriminação, que tem punição prevista em lei.

Topo 

Meu pai teve um AVC e ficou com o lado direito sem movimentos. Segundo os médicos, a paralisia é permanente. Ele tem um seguro de acidentes pessoais, mas, acionada, a seguradora negou a indenização. Isso está correto?

Sim, pois o AVC não se enquadra na definição de “acidente pessoal” em relação ao seguro. Ao fazer um AVC, seu pai não sofreu uma causa externa.

A cobertura é para invalidez permanente causada por acidente externo, súbito, imprevisto e independente da vontade do segurado.

Topo

Sou motorista profissional e comprei um seguro de acidentes pessoais. Perdi uma perna num acidente que sofri, mas a seguradora se recusou a pagar a indenização sob o argumento de que eu não fiquei totalmente inválido. Quem está com a razão?

Depende da apólice contratada, daí a importância de ler com atenção e com apoio do seu corretor de seguros o contrato assinado. Os planos de seguro podem ser estruturados com cobertura de invalidez permanente total por acidente, de acordo com características específicas.

Por exemplo, a apólice de acidente pessoal de uma grande seguradora brasileira considera “invalidez permanente total por acidente”:

a) perda total e definitiva da visão de ambos os olhos;

b) alienação mental, total e incurável, devendo ser apresentado o termo de interdição judicial do segurado para que o pagamento da indenização seja feito ao curador;

c) perda total e definitiva do uso de ambos os membros inferiores;

d) perda total e definitiva do uso de ambos os membros superiores;

e) perda total e definitiva de ambas as mãos;

f) perda total e definitiva de ambos os pés;

g) perda total e definitiva do uso de um membro superior e de um membro inferior; e

h) perda total e definitiva do uso de uma das mãos e de um dos pés.

Se a apólice que você contratou for semelhante à apólice do exemplo acima, a seguradora poderia recusar o pagamento da indenização.

Topo