Olimpíadas: seguros garantem a festa


10/08/2012  

Um número estimado de quatro bilhões de pessoas, mais da metade da população mundial, está sintonizada com o que a BBC chama “a primeira Olimpíada verdadeiramente digital”. A BBC sozinha, principal divulgadora dos jogos no Reino Unido, tem 765 funcionários cobrindo o evento e transmitindo notícias e comentários ao vivo continuamente.

Numerosos riscos afetam os jogos olímpicos: terrorismo, criminalidade, tickets perdidos, atletas feridos, escândalos, danos materiais etc. A responsabilidade pela estratégia de gerenciamento de risco dos jogos, incluindo cancelamento de eventos, devido a terrorismo etc, foi assumida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e pelo Comitê Organizador de Londres dos Jogos Olímpicos (LOCOG), que transferiram parte dos riscos para o mercado de seguros.

Andrew Duxbury, gerente de subscrição de riscos da Munich Re, estima que o cancelamento das Olimpíadas de Londres, devido, por exemplo, a uma ameaça terrorista, resultaria em danos e prejuízos de mais de € 4 bilhões (US$ 4,9 bilhões). “Esta foi a soma dos riscos segurados na Copa do Mundo de 2010 e os Jogos Olímpicos devem estar na mesma categoria”. Ele acrescentou que, no caso de cancelamento, a Munich Re poderia perder algo em torno de € 350 milhões (US$ 428 milhões).

Os riscos maiores, no entanto, encontram-se cada vez mais nos direitos bilionários de difusão dos jogos, que conta, entre outras, com tecnologias de ponta como o satélite lançado recentemente de seis toneladas, 20 quilowatt SES-4 que brilhou centenas de TV, HD e canais em 3D desde fevereiro de 2012. As seguradoras devem estar confiantes de que têm informações suficientes sobre tais riscos. Elas precisam entender todos os estágios de vida de um satélite – projeto, construção, lançamento e operação – dado que a cobertura é ampla e garante, essencialmente, o bom funcionamento do engenho. A propósito, os direitos de cobertura dos Jogos de Inverno de 2010 e dos Jogos Olímpicos de 2012 foram vendidos a NBC por US$ 2 bilhões.

O tempo é outro complicador para as seguradoras: os atletas de vela, canoagem e outros esportes aquáticos ao ar livre contam com determinados níveis de vento, água e tipo de ambiente para se desempenharem bem. Um seguro contra mau tempo parece boa ideia, especialmente, numa Olimpíada realizada na Inglaterra.

E os valores de próprio corpo? Não é incomum celebridades e estrelas do esporte segurarem as suas partes mais preciosas ou lucrativa: fala-se que as pernas de David Beckham estão seguradas por € $ 70 milhões. Imagine-se o quanto valem agora as pernas de Usain Bolt depois de conquistar em Londres os 100 m rasos e o inédito bicampeonato nos 200 m!

Para os residentes londrinos, esportistas ou não, há também riscos a considerar. A Associação das Seguradoras Inglesas preparou uma lista de questões que lhes podem afetar e, por tabela, são interessantes para brasileiros e cariocas, tendo em vista a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Abaixo algumas questões e respostas:

a) Q: Se eu alugar um quarto de minha residência para um “turista olímpico”, preciso comunicar à seguradora?

R: Sim. Pode haver restrições ou limitações do seguro residencial se toda ou parte de sua propriedade for alugada.

b) Q: A minha apólice residencial cobre bens, como uma câmera fotográfica, que podem ser perdidos ou roubados num estádio olímpico?

R: Se for uma apólice multirrisco, você provavelmente tem cobertura do conteúdo da sua casa e será indenizado por perdas ou danos de bens ocorridos fora de casa, até o limite contratado. Se o valor do item, ex. a câmera, ultrapassar o limite da apólice, você deve entrar em contato com o seu corretor ou seguradora e talvez precise pagar um prémio extra para cobri-lo.

c) Q: Se o meu carro for danificado em um estádio olímpico, estou coberto?

R: Sim, desde que tenha uma apólice compreensiva (multirriscos) de seguro auto, além das restritas que cobrem apenas roubo e incêndio. Mas você deve tomar precauções adicionais, como ter certeza que estacionou em local seguro e não deixar objetos de valor à vista.

Advertisements

d) Q: O meu seguro de viagem cobre perda de voo devido a congestionamento de trafego em razão das Olímpiadas?

R: Depende. Algumas apólices cobrem perdas de voo devido ao colapso dos transportes públicos, a greves ou congestionamento de tráfego. Cheque com seu corretor/ seguradora e, se confirmar, certifique-se de deixar tempo suficiente para chegar ao aeroporto, para não se poder argumentar que você agravou o risco.

e) Q: Estou preocupado com a segurança da minha empresa durante os Jogos Olímpicos, em razão de atrasos, tumultos etc. O que devo fazer?

R: Converse com o seu corretor ou com a seguradora. Eles podem aconselhá-lo sobre requisitos de segurança adicionais que podem ser convenientes ou até exigidos nos termos de sua apólice.

f) Q: Posso ser indenizado se, terminada a Olimpíada, ainda sobrarem no estoque de minha empresa bens relacionados aos jogos?

R: Não. A apólice empresarial somente cobre perdas financeiras devidas a eventos listados como fogo, enchente, roubo etc e não perdas devidas à falta de demanda.

g) Q: No caso muito improvável de um ataque terrorista, o meu seguro empresarial cobre danos causados às minhas instalações?

R: Sua apólice deve cobrir tais danos. Verifique no manual do segurado ou fale com os seu corretor ou seguradora para ver se este risco está coberto.